Home / Projeto 365 / Projeto 365 – Dia 98 – Dias de Prazer

Projeto 365 – Dia 98 – Dias de Prazer

“Fim de um dia perfeito”

Após o término do espetáculo com essa frase irônica, esse filme de 1919, preto e branco e do lendário Charles Chaplin, não é uma das suas melhores obras, mas, como todo bom gênio, consegue trazer para esse simplório filme algum brilho.

Tratando de contar a história de um pai de família que quer sair para dar uma volta com sua mulher e filhos, essa curta apresentação de 20 minutos nos oferece o que nos acostumamos a ver com os “Trapalhões”, porém sem piadas faladas, apenas os gestos e os atos para iniciar o humor.

Com movimentos repetitivos e de uma habilidade ímpar, Chaplin vai transmitindo o desespero que é sair de casa para fazer algo simples e, simplesmente, tudo dar errado. Com o uso de um roteiro nada politicamente correto, ele chuta vendedor, pisa em uma senhora, briga com um policial e, ainda sim consegue ser um personagem infantil, pois por mais bárbaros que sejam os atos, todos, sem excessão, são puros e inocentes, com um único propósito de fazer rir e não de incentivar o público a fazer o mesmo.

dias de prazer a days plasure

O filme apresenta pequenos, mas criativos sketches de comédias de situações básicas do dia-a-dia de um homem da década de 20, todas elas apresentando uma postura e habilidades corporal de Chaplin, um ator que nota-se facilmente que tem facilidade de se expressar com gestos e facetas, demonstrando um controle corpóreo digno de um personagem circense.

O contraste Mudo X Trilha sonora também é algo interessante neste filme, pois por se tratar de um espetáculo sem vozes, é a trilha a responsável por ajudar na emoção e na retenção do público, neste caso, ela além de tudo consegue ser interativa, fazendo com que muito se preste à atenção nela.

Por fim, apesar da simplicidade da obra, auxiliada por uma edição bem defasada da época, será apresentado aquilo que considero mais ícone dos filmes de Chaplin, ele mesmo, afinal, apesar dele nem sempre sair por cima nas cena, sempre consegue arrancar um sorriso e uma expressão de espanto do espectador, e só por isso, já vale o filme.

Comentários

comentários

About Celso Bove

Celso Bove Publicitário, Webdesigner, Blogueiro, fotógrafo, amante de todos os tipo de arte, em especial cinema. Fundador do Blackcine.

Leave a Reply

Your email address will not be published.