Home / Estreias / Projeto 365 – Dia 205 – O lar das crianças peculiares

Projeto 365 – Dia 205 – O lar das crianças peculiares

“Eu não sou normal”

Sinopse:

Após uma tragédia familiar, Jake (Asa Butterfield) vai parar em uma ilha isolada no País de Gales buscando informações sobre o passado de seu avô. Investigando as ruínas do orfanato “Miss Peregrine’s Home for Peculiar Children”, ele encontra um fantástico abrigo para crianças com poderes sobrenaturais e decide fazer de tudo para proteger o grupo de órfãos dos terríveis Etéreos.

Opinião:

Antes de falar sobre o filme, é válido fazer três comentários:

1 – Eu li os três livros da série, e isso, obviamente, interfere na análise;

2 – Sou contra a mudança das personagens Emma e Olive (vou detalhar isso mais embaixo);

3 – Sou contra a mudança do título, pois o original deveria ser mantido, assim como o livro: O Orfanato da Srta. Peregrine Para Crianças Peculiares.

Agora vamos ao filme.

Dirigido pelo excêntrico diretor Tim Burton, o filme “O lar das crianças peculiares” tem acertos interessantes e um erro fatal. O acertos estão mais presentes na parte técnica, já que o filme tem um belíssimo aspecto visual. O erro fica por conta da má adaptação ao roteiro original.

O primeiro elemento atrativo é a fotografia. Como sempre, Tim Burton capricha no figurino, efeitos visuais e acabamento técnico das cenas de seus filmes. Sua já conhecida característica de misturar macabro com infantil cai como uma luva para essa história. Inclusive o tratamento dado às cenas se assemelha bastante com a parte do livro que apresenta fotos bizarras e as contrasta com personagens bem inocentes.

fotos-do-livro-o-orfanato-da-senhorita-peregrine-para-criancas-peculiares

O conjunto paleta de cores mais cenários também agrega valor ao longa, gerando uma série de boas sensações para quem admira o trabalho do diretor.

Conforme as cenas vão se adensando, outro bom detalhe chama atenção: a trilha sonora. Com variações entre suave e explosiva, esse recurso é usado para ajudar a transmitir o sentimento de cada cena. A cantora Florence + The Machine inclusive lançou uma música exclusiva para esse trabalho.

Até aqui tudo bem interessante. O problema começa do meio para o final da história. Jane Gold, roteirista do filme, resolveu dar a sua própria interpretação para a trama, algo que gerou erros catastróficos. A parte inicial é bem parecida com o começo do primeiro livro, algo que torna a história bem feita e sem buracos. Acontece que, por conta de tempo, Jane jamais conseguiria manter o mesmo ritmo e, para a obra conseguir chegar ao final em um tempo aceitável para os cinemas, cortou uma série de detalhes importantes e modificou o roteiro original de Ransom Riggs.

primeiro-trailer-de-_o-lar-das-crian_as-peculiares_-filme-de-tim-burton1803095859

Uma prova da alteração de Jane Gold está em uma das personagens principais da história. No livro, Jacob contracena com Emma, uma menina com a peculiaridade de soltar fogo pelas mãos. Já no filme essa personagem foi invertida com Olive, que tem a peculiaridade de controlar o ar. Esse é só um pequeno detalhe que o roteirista inverteu, preocupando-se apenas com marketing e o que atrairia mais, deixando uma série de elementos para trás que são os responsáveis por dar corpo à história.

Claro que, para quem não leu o livro, esses detalhes não existirão, porém eles são tão fundamentais que a obra passa a ideia de que está faltando algo. As resoluções dos problemas apresentados na parte inicial vão se resolvendo com uma facilidade enorme, causando frustração por conta da falta de lógica e pela velocidade acelerada que o filme ganha nas partes mais dramáticas.

Quem mais sente essa ausência de consistência no roteiro são os atores. O trabalho deles nitidamente foi alterado pela falta de continuidade da trama, afetando de maneira enfática, principalmente, o vilão interpretado por Samuel L. Jackson.

O resultado disso é um final previsível e confortável, deixando a obra com um aspecto de um filme comum que, se houvesse mais esmero e respeito ao livro, poderia ser algo bem mais impactante.

lar-criancas-peculiares-filme-tim-burton-critica

Mais um caso clássico de “livro melhor que o filme”.

Comentários

comentários

About Celso Bove

Celso Bove Publicitário, Webdesigner, Blogueiro, fotógrafo, amante de todos os tipo de arte, em especial cinema. Fundador do Blackcine.

Leave a Reply

Your email address will not be published.