Home / Blackcine / Projeto 365 – Dia 156 – Cidadão Kane

Projeto 365 – Dia 156 – Cidadão Kane

“Eu não abandonei a política, ela me abandonou”

“Cidadão Kane” mostra o quanto é suja e profunda a relação da imprensa com a política.

Sinopse:

O longa conta a ascensão de Charles Kane, um ícone (fictício) da imprensa americana. Do garoto pobre do interior a um magnata dono de um império jornalístico e publicitário.

Opinião:

Depois de anos escutando sobre “Cidadão Kane” na faculdade, lendo em livros sobre cinema, sociologia ou política, e de ter assistido a um documentário que se inspira em sua história, resolvi procurar e assistir o tão aclamado pela crítica “Cidadão Kane”.

Não há decepção. O filme conduz muito bem um ritmo alinear, começando com a morte de Charles Kane e contando sua trajetória. O destaque fica por conta dos elementos como crítica social e mistério que são usados de maneira única.

cidadao kane classico

Para um filme de 1941, é surpreendente os recursos usados, principalmente em cenários e trabalho com ângulos de câmera. São os detalhes principais para auxiliar toda a trama dirigida por Orson Welles.

Orson Welles é o grande nome da análise. Diretor estreante, vindo do mundo do teatro e do rádio, ao qual foi aclamado em ambos, trouxe para telona um filme capaz de agradar aos espectadores que buscam entretenimento, ou seja, uma boa história com drama, romance e boa moral. Mas também os analistas de cinema, compondo um roteiro que, até hoje, traz o que acontece no mundo sujo e complicado da política e da notícia.

Além disso, Welles ainda é o ator principal, atuando e mostrando para seus críticos que podia colocar em pé o trabalho que vinha pensando a anos.

orson welles

Detalhes:

A grande questão de “Cidadão Kane” é basicamente a exposição que ele dá sobre algo antes oculto. Os bastidores do mundo da notícia e da política são mostrados como nunca se tinha visto. A partir daqui o grande público começou a entender o que ocorria, como se chegava ao poder e, principalmente, os atos que precisavam ser feitos para ter o poder nas mãos.

Outro detalhe que fez com que esse filme chamasse a atenção é a sua origem. Há uma série de livros e críticos que dizem que o roteiro é muito parecido com a vida do milionário William Randolph Hearst. Sim, de fato é, mas Orson Welles nunca admitiu isso, chegando a ser processado por William e, ainda sim, não admitiu o fato (algo que serviu de publicidade para o filme).

A questão da interação  é outro detalhe que não se vê em qualquer obra. Há cenas que os atores se comunicam com a câmera, por consequência com o público, fazendo uma conexão visual que atrai e deixa um clima de curiosidade. Como o filme é alinear e começa com a morte de Kane, a trama se desenrola com jornalistas fazendo um documentário sobre o magnata. Com essa brincadeira do roteiro de ir e voltar na história, há certas horas que parece que estamos assistindo a um documentário, com entrevistas aos personagens fictícios com um repórter fictício, mas com a impressão de que tudo é real (algo brilhante).

infancia de charles kane

O mistério que cito acima também auxilia a lembrança do filme até hoje. Todo o mistério gira em torno da palavra ROSEBUD. Durante o filme inteiro essa palavra será citada e ninguém consegue entender ou desvendar o mistério. Welles deixa para o último segundo, da última cena para dar uma dica do que seria, e ainda sim é bem interpretativo.

Pra fechar:

Quando um filme consegue ultrapassar a barreira do entretenimento e chega no patamar de dar uma aula, ele merece todo o respeito com que o tratam. “Cidadão Kane” é um belo exemplo disso. Todas as questões que ele levanta sobre um jornalismo justo, uma imprensa imparcial que funcione 24 horas por dia, sobre como a política é um ambiente obscuro e, com tudo isso, ainda desenvolver um roteiro que mescla e discute problemas psicológicos, falha na criação de nossas crianças e ainda trazer personagens complexos e bem trabalhados, merecendo o respeito de quem se propor a gostar de cinema.

PS: Recomendo o documentário “Muito além de Cidadão Kane” que conta como a rede Glogo de televisão controla o povo através da notícia e do seu grande poderio financeiro.

Comentários

comentários

About Celso Bove

Celso Bove Publicitário, Webdesigner, Blogueiro, fotógrafo, amante de todos os tipo de arte, em especial cinema. Fundador do Blackcine.

Leave a Reply

Your email address will not be published.