Home / Estreias / Projeto 365 – Dia 142 – O Pequeno Príncipe (2015)

Projeto 365 – Dia 142 – O Pequeno Príncipe (2015)

“A gente corre risco de chorar um pouco quando se deixou cativar.”

Há um tempo atrás escrevi sobre um filme chamado “O Pequeno Príncipe”, uma bela composição de 1974 que muito honrou a obra de Antoine de Saint-Exupéry escrita em 1943 (quem quiser ler, está aqui)

Por isso, não esperava muita novidade dessa atual versão, até porque, já havia outros filmes e essa é uma das mais clássicas histórias da humanidade. Mas, ESTAVA ERRADO.

Essa versão francesa, dirigida por Mark Osborne, traz a história do “Pequeno príncipe” como um plano de fundo para outra história mais atual e, deu muito certo.

peqno principe 2015 novos personagens

Veremos o roteiro de uma família típica dos dias de hoje, aonde os pais trabalham muito e a criança é incluída em um plano de educação robótico que fica responsável por sua criação. Essas personagens, que de propósito não são nomeadas, interpretarão qualquer pessoa que se deixou vencer pela vida cotidiana, e que se esqueceu de como é ser criança.

A partir daí veremos uma aula de como incluir uma história dentro de outra, gerando uma mescla emocionante, bela e sentimental, capaz de tocar qualquer um que se propor a entender a mensagem.

pequeno principe duas animacoes diferentes

Iniciei esse texto com uma das frases clássicas do livro, pois ela demonstra bem o que sentir ao ver um filme como esse. É quase impossível não chorar, mesmo que você não se entregue a trama, com certeza terá algum relance agudos ou isolado familiar a sua vida, e essa, pelos menos para mim, é a parte mais interessante dessa trama.

Tudo isso combinado com uma trilha sonora delicada e tipicamente francesa, uma fotografia que divide bem as duas histórias, trabalhando com dois tipos de animação para dividir a parte original do “Pequeno Príncipe” e a nova trama que fora construída a partir disso.

Em resumo, essa versão trará a essência do livro, um belo jeito de resumir os ideais de Antoine de Saint-Exupéry em uma trama atual e moderna, mostrando que, seja em 1974, 2015 ou em qualquer época, o “Pequeno Príncipe” será eterno.

Marcus Caruso dublador do aviador

Marcus Caruso dublador do aviador

PS: Antes de terminar, gostaria de elogiar a dublagem brasileira, sou bem crítico quanto a essa arte, mas o capricho dado a essa obra não deixa a deseja para com a original.

Comentários

comentários

About Celso Bove

Celso Bove Publicitário, Webdesigner, Blogueiro, fotógrafo, amante de todos os tipo de arte, em especial cinema. Fundador do Blackcine.

Leave a Reply

Your email address will not be published.